segunda-feira, 11 de maio de 2009

Caetano em Temporada no Brasil











Caetano encerrou sua temporada no Canecão com o show "zii e zie” com estréia do no dia 8 de maio. Agora vai viajar pelo Brasil. Quando estiver em Fortaleza acho que não vou estar aqui. Uma pena!
Caetano faz parte da minha vida, posso separar as minhas fases por suas músicas, facilmente.
Cada fato importante, feliz, triste no fundo encontro uma trilha musical dele.
Ainda criança “Coração Vagabundo” e “Avarandado”, me levam a nossa casa na Pituba.
Logo depois “Alegria, Alegria”, “Soy Louco por Ti América”, “Superbacana” auge do Tropicalismo, movimento que rompe tradições, está a casa de Sr. Isaías e as músicas que Cacá, Lena e Ismar ouviam. Essa época também data o lendário discurso que fez com sua música “É proibido Proibir”, aí já é a fase da adolescência rebelde.
Caetano disse em seu discurso: “Mas é isso que é a juventude que diz que quer tomar o poder? Vocês têm coragem de aplaudir, este ano, uma música, um tipo de música que vocês não teriam coragem de aplaudir no ano passado! São a mesma juventude que vão sempre, sempre, matar amanhã o velhote inimigo que morreu ontem! Vocês não estão entendendo nada, nada, nada, absolutamente nada. Hoje não tem Fernando Pessoa. Eu hoje vim dizer aqui, que quem teve coragem de assumir a estrutura de festival, não com o medo que o senhor Chico de Assis pediu, mas com a coragem, quem teve essa coragem de assumir essa estrutura e fazê‑la explodir foi Gilberto Gil e fui eu. Não foi ninguém, foi Gilberto Gil e fui eu!...”
Era completamente apaixonante, ouvíamos seu discurso centenas de vezes, época da Escola Nova, que tinha como Diretora D. Suzana Imbassaí, representava toda a tradição da Bahia. Uma excelente educadora – esse entendimento só chegou depois - mas naquela época queríamos ser irreverentes.
Iniciam-se as grandes mudanças no carnaval da Bahia, e claro que Caetano está lá, com: “Atrás do Trio Elétrico”, “Chuva, suor e cerveja”, “A Filha da Chiquita Bacana”...carnavais que ainda podíamos assistir da casa de minha Vó, na calçada, e as memoráveis festas e Lavagens da Pituba.
Final de década de setenta e início da de oitenta, assistir o pôr do sol no Farol da Barra era quase que obrigatório para os jovens, ao som de “London, London”. “Mora na Filosofia”, “Você não entende nada”, “Lua, lua, lua”, “Cara a cara”, “Qualquer coisa”; o disco os “Doces Bárbaros” é o que mais se ouvia: “Um índio”, “Atiraste uma pedra”.
Época da novela Dancing Days, praia da Pituba, o surfe está no alto aí ouvíamos “Tigresa”, “Gente”, “Leãozinho”, “Odara”, “Outras palavras”, “Terra”, “Sampa”. O disco “MUITO” é para mim uns dos melhores, o que tem "Terra" e "Sampa".
Umas das melhores fases é quando ele nos presenteia com: “Menino do Rio”, “Lua de São Jorge”, “Beleza Pura”, “Oração ao Tempo”, “Cajuína”; é uma fase de amadurecimento para todos nós, suas músicas chegavam usando a nossa linguagem.
Fase romântica das paqueras, dos namoros, das tardes em itapoã e na casa de D. Consuelo, dos veraneios na ilha que eram deliciosos. Umas das marcas é “Milagres do povo”, “Dom de Iludir”.
Com sua sensibilidade foi um dos primeiros a descobrir e gostar de Cazuza, aí veio “Todo amor que houver nessa vida”, seguindo com “Fera Ferida” e o “Ciúme”, traduzindo esse sentimento com as cidades Petrolina e Juazeiro, coisas que só Caetano faz!!
Mudança nos rumos da Bahia, eleição de Waldir Pires, Caetano está lá com:
"Amanhã, será um lindo dia, da mais louca alegria, que se possa imaginar...” , cantada em todo o Brasil, marca da campanha Diretas Já.
Fina Estampa é um disco cantado em português e espanhol, é a grande consagração de seu nome fora do Brasil, especialmente na América Latina.
O grande desafio chega quando grava de Cole Porter a Nirvana, faz recriações maravilhosas, que nos emociona!
E por aí vai, sempre entrando em nossas vidas. Por mais que escreva não conseguirei traduzi-lo, só ele mesmo com “Minha Voz, minha vida”:
Minha voz, minha vida
Meu segredo e minha revelação
Minha luz escon...dida
Minha bússola e minha desorientação
Se o amor escraviza
Mas é a única libertação
Minha voz é precisa
Vida que não é menos minha que da canção
Por ser feliz, por sofrer
Por esperar, eu canto
Pra ser feliz, pra sofrer
Para esperar eu canto
Meu amor, acredite
Que se pode crescer assim pra nós
Uma flor sem limite
É somente por que eu trago a vida aqui na voz
Minha voz, minha vida

Continue... Caetano... trazendo a vida na voz...obrigada.


Eliane

2 comentários:

Anônimo disse...

Muito
Eu sempre quis muito
Mesmo que parecesse ser modesto
Juro que eu não presto
Eu sou muito louco, muito
Mas na sua presença
O meu desejo
Parece pequeno
Muito é muito pouco, muito

Broto você é muito, muito
Broto você é muito, muito

Eu nunca quis pouco
Falo de quantidade e intensidade
Bomba de hidrogênio
Luxo para todos, todos
Mas eu nunca pensei
Que houvesse tanto
Coração brilhando
No peito do mundo louco
Gata você é muito
Broto você é massa, massa

Jailsen

tecrisc disse...

Adorei a reportagem e o bom dela é que é mesmo tudo verdade rsrsrs. Fizemos um violoncelo na sexta e foi um sucesso. Nesta proxima estamos pensando em fazer uma voz e violão. Pedro está lindo. Mande as outras fotos por e-mail. Beijos e obrigada pelço seu carinho.
PS Vitor veio este fds.
Te