segunda-feira, 14 de junho de 2010

Como conseguir uma reserva no El Bulli?




A gente fala, fala, fala do El Bulli mas… e a comida? Que cara tem? Pouquíssimas pessoas podem responder essa pergunta. Isso porque o El Bulli só abre durante os cinco meses do verão europeu. E como a demanda é enorme e só há 50 lugares, a disputa por cada mesa é feroz. Os fãs de Ferran criaram até um fórum virtual onde trocam figurinhas sobre as melhores táticas para conseguir uma reserva. As probabilidades são ínfimas. O restaurante diz que recebe cerca de 500 mil pedidos de reserva por ano – e só pode servir cerca de 7.500 pessoas durante cada estação. Ou seja: para cada 100 pessoas que querem comer no El Bulli, uma ou duas conseguem e as outras ficam a ver navios.

Funciona assim: a cada ano, o restaurante anuncia, no site, a data exata em que começam a aceitar reservas para o ano seguinte, geralmente no final de outubro. Nesse dia, a partir da meia noite horário da Espanha, os gourmands mais afoitos mandam seus e-mails pedindo mesa. Quem espera para pedir mesa um dia depois, dança. Conforme os pedidos vão sendo analisados nas semanas seguintes, o restaurante começa o longo processo de responder sim ou não para todo esse mundaréu de gente. Alguns azarados tentam ano após ano e não conseguem, como o pobre internauta novaiorquino que escreveu no fórum virtual ” Está chegando o meio de outubro. Alguém pode me aconselhar? Faz muitos anos que eu entro nesse jogo pra perder, e estou começando a me desesperar.”

Simples assim. Os pedidos entram em outubro, as respostas são emitidas em novembro, e em uma semana o restaurante preenche cada lugar de cada jantar do verão seguinte. Com incríveis cinco meses de antecedência.

O restaurante El Bulli, do famoso chef espanhol Ferrán Adriá, foi eleito pelo quarto ano consecutivo o melhor restaurante do mundo.

Não possui um cardápio, pois o chef Adriá apresenta de 20 a 30 iguarias para cada cliente, com regras específicas para degustar. Uma mordida, duas mordidas, com um gole de vinho e com que talheres. Sopas sólidas, raviólis que explodem com recheio líquido, gelatinas quentes, sorvete salgado entre outros, aguçam os paladares.

Adriá faz da culinária um laboratório de física experimentando ingredientes com o auxílio de nitrogênio líquido, maçaricos, spray, misturando cores, aromas, texturas e sons.


Fonte: http://viajeaqui.abril.com.br/blog/boa-vida/50-melhores-restaurantes-do-mundo

www.almanaqueestacao.com.br





2 comentários:

Solange Maia disse...

assisti a uma entrevista dele certa vez e fiquei curiosérrima... imagine que "experiência gastronômica" deve ser poder compartilhar desses sabores... mas, pelo jeito devemos nos contentar imaginando mesmo... risos...

beijo bem grande !!!!

Mildred disse...

This is really fantastic!
Enjoy in www.youtube.com/user/B0CAdoL0B0