terça-feira, 20 de janeiro de 2009

Novos Tempos?


"Obama tem direito, sim, a ser um novo e incompetente Bush ou um novo e golpista Nixon. Sim, ele pode! Obama, ao contrário do que pensam alguns coleguinhas, pode ser, sim, um Collor americano, corrupto e devasso, pois já estão pesquisando as falcatruas de seus aliados em Illinois. Sim, ele pode! Obama pode ser mais paranóico que Truman e Reagan juntos e sair matando islamitas mundo afora. Sim, ele pode! E poderá ser o maior e mais justo líder da História. Sim, ele pode!
Obama é negro, mas é um ser humano. Será ótimo se for um presidente justo, honesto, pacifista, conciliador e competente no enfrentamento da crise econômica mundial que Bush criou e alimentou. Mas, se ele não conseguir, é apenas porque é um homem, como você e eu, leitor. Exigir de um ser humano que seja mais que humano só porque é negro, é racismo. Ra-cis-mo! Nós, negros, somos gente como Luther King ou Hitler. Nossos amigos nos amam, mas nossos inimigos, não. Tem dia que somos ótimos, mas tem dia que não. E daí?
Assistam
Só uma dica: quem quiser sentir como um ser humano pode ser um joguete no meio dos preconceitos, deve assistir “Gentleman’s Agreement”, com título em português “A Luz é para Todos”, filme feito em 1947, nos EUA, dirigido por Elia Kazan e estrelado por Gregory Peck e Celest Holm. Ganhou três Oscar. E está sendo exibido no canal Telecine Brasil, na Sky.
Bem, independentemente do que Obama faça ou deixe de fazer, uma coisa é certa: fosse Bush negro, mulato ou amarelo, o que ele fez e deixou de fazer é suficiente para caracterizá-lo como o presidente mais execrado dos Estados Unidos. E execrado pelos próprios americanos, em primeiro lugar. Basta dizer que George W.Bush assumiu o governo com os EUA nadando num superávit de US$ 2 trilhões e, agora, oito anos depois, deixa o país com um déficit de US$ 2,5 trilhões
O pior é que grande parte desse déficit tem a ver com as guerras trilionárias, melhor dizendo, as invasões do Afeganistão e do Iraque, para não falar no estouro da bolha imobiliária, embrião da atual crise financeira mundial.

.Mas não foi só isso. O governo de Bush caracterizou-se de forma infame pela exaltação da religiosidade em detrimento da cientificidade, inclusive no ensino nas escolas, nas quais, em alguns estados, a teoria de Darwin chegou a ser proibida, substituída por “Adão e Eva” da Bíblia.
Fuga de cérebros
Essa ridícula posição do governo Bush causou aos EUA um prejuízo talvez muito maior do que o que pode ser mensurado em dólares: a fuga de cérebros. Dezenas, quiçá centenas, de cabeças pensantes (existem!) americanas deixaram o país, diante do obscurantismo que se instalou, numa espécie de Idade Média anacrônica, em pleno século XXI
Bush teve ainda o “mérito” de jogar o social no estrume.Negligenciou – ainda mais – o já pífio sistema de atendimento médico público americano (neste ponto, creiam, nosso SUS dá de dez a zero) e, de um modo geral, praticou uma política social típica dos que se acham “melhores” por serem brancos e ricos, discriminando de forma escandalosa os negros e pobres. Vide sua atuação ridícula no caso do furacão Katrina, que quase destruiu New Orleans.
Sem liberdade
Pior ainda: Bush, sob a desculpa de “combater o terrorismo”, foi responsável por um dos mais graves períodos de restrição à liberdade de expressão nos Estados Unidos, país que tem uma constituição secular, sucinta, onde a primeira emenda diz que não se admite qualquer restrição à liberdade de... Expressão! "
Alex Ferraz - Tribuna da Bahia - Coluna Em Tempo

Um comentário:

tecrisc disse...

Adoro seu Blog e depois dessa maravilhosa reportagem....... Ele ficou melhor ainda rsrsrsrs.
Vítor Barats meu amigo querido adora seu blog e como sou muito jeca, ele entra mais do que eu. Vou aprender mexer mais nesse tal de Pc rsrsrsrs.
Bjs e obrigada pela força e pelo carinho.
Te amo
Te